segunda-feira, setembro 29, 2008

substantivo feminino

o meu silêncio traz sempre ecos de estilhaços pisados com a ponta dos pés. o que quebrou não se cala e o barulho é mais cáustico quando está tudo calado. chocalha sempre em mim, vívido, no leve movimento do pestanejar. tilinta a cada novo rasgão nesse pedaço agudo, nos vidros de um olhar partido em pequenos pedaços que já não encaixam, que se atropelam e vão vazando no volante. é um queixume, sim. é a dúvida de mim, do que pertenço. do meu nada. não chego. não basto. são noites vazias e custam-me as noites vazias. custam-me que não tenham de ser vazias e que ainda assim o sejam. porque não percebo esse vácuo imposto onde se estende a mão e há apenas o vago morno de algo que já não. algo, pronome indefinido tão pessoal, como a memória de um sabor particular, talvez de infância, definitivamente de inocência. que conheço mas que não tenho. há uma parte de mim assim. da qual não consigo desembaraçar-me. a que não depende de mim. essa é a parte vazia, a parte passiva, a expectante, a incómoda, a risível. que se engana todos os dias. é um nó que nada abraça. e que por isso se sufoca sozinho.
ridícula, murmuro-me. cala baixinho a fraqueza. essa, a de se assumir que não se gosta de estar só. fecha-te. fecha os olhos para que não se veja. fecha a porta e arranca.

a minha solidão é simples. é substantivo feminino. o estado de quem está só.

7 comentários:

miak disse...

... ando com medo de escrever aqui... com medo do escuro...

Carla disse...

...e percebo-te tão bem.

polegar disse...

miak: este era o lugar para isso. para os medos. lembras-te?

carla :)

alien aboard disse...

inda bem k puxaste a brasa à tua sardinha...nice blog...deste escuro n tnh medo :)

delusions disse...

a minha solidão é tua. nossa.

andava a passear neste espaço e encontrei-te...

gostei muito.



bjs
Sofia*

colher de chá disse...

não estás sozinha. não estás. e tu sabes. não és tu quem está sozinha. são uns quantos pensamentos ruins que infelizmente funcionam como uma espécie de estore fechado em dia de sol.
não pode ser assim. acredita em ti, no que fazes. fazes tão bem...

quanto ao nosso almoço, pensava que ia ter mais tempo, estou a fazer um biscate na feira do livro do mercado da ribeira até ao fim do ano. falamos melhor depois.

beijos minha linda.

e acende a luz sempre que quiseres!

Anónimo disse...

posta again :'$